Mostrando postagens com marcador AMIGOS: O LADO TRISTE DOS REENCONTROS. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador AMIGOS: O LADO TRISTE DOS REENCONTROS. Mostrar todas as postagens

AMIGOS: O LADO TRISTE DOS REENCONTROS

 

Em tempos de mídias sociais, onde ou se é “gratidão” ou se é Hater, o que mais lemos são postagens muito longe do que todos sabemos ser a realidade que vivemos, percebemos, sentimos e pensamos. Sim, são pelo menos esses quatro os estágios para o processamento mínimo de algum evento digno de registro.

Com o passar dos anos, todos vamos sofisticando a forma como processamos nossas experiências pessoais. Estamos constantemente fazendo isso. Eventualmente, revisitamos experiências anteriores e as resignificamos. Graças a essas experiências, acabamos por ganhar um conhecimento empírico a respeito de nós mesmos que nos permite ser mais assertivos em nossos posicionamentos e opiniões. À evolução desse processo é o que chamamos de amadurecimento.

Nesses tempos de quarentena, é inevitável que esse processo de lembrar eventos adormecidos seja potencializado.

Como conseqüência imediata, sentimos recrudescer os mesmos sentimentos que experimentamos na ocasião original. Está aí uma excelente oportunidade para resignificarmos esses incômodos fantasmas que nos atrapalham quase sem percebermos. Assim, como, também, reforçar aqueles positivos que reforçam nossas crenças pessoais e autoestima.

Tenho revisitado, na memória, muitos desses eventos e recontatado vários amigos, que não via há tempos, pelas redes sociais.

Pena nem todos percebem e aproveitam, de forma inteligente, tudo o que a passagem do tempo pode nos proporcionar.

Ficar velho todos os que não morrerem antes ficarão. Mas, amadurecer não, exige trabalho interno, é mérito. Ser uma pessoa madura dá trabalho, não é pra qualquer um. É preciso ser gentil, ser amigo dos amigos e ter atitudes que aumentam a auto-estima e o respeito alheios. Ser gente boa oferece muitas vantagens, mas quem é gente boa de verdade não o é por elas. É porque amadureceu.

Sim, amadurecer é gostoso e faz muito bem à autoestima e funciona, também, para que nossos amigos continuem a gostar e a confiar em nós. Mudar é gostoso e desafiador. Muitas vezes nos leva a ter surpresas muito boas conosco mesmos, nos descobrindo melhores do que antes. E o que é ser melhor? Isso é um parâmetro personalíssimo e de importância fundamental, um derivado da maturidade, o autoconhecimento. Exige uma pré-disposição para aceitar e introjetar as constantes mudanças pelas quais passamos como resultado de nossas experiências diárias.

Nunca entendi alguém bater no peito e declarar que “sempre fui assim e não vou mudar”!  Mesmo sendo um imbecil que ninguém suporta... 

Amadurecer significa, também, aprender como cada um de nossos amigos gosta ou não gosta de ser tratado. Aprendemos a sofisticar nossa empatia. E, é um dever de cada um desenvolvê-la constantemente, caso contrário corremos o risco de nos tornarmos inconvenientes, chatos e repetitivos.

Envelhecer sem amadurecer é aprisionar nossa criança num corpo de velho.

Houve época em que eu tinha certo ranço e muita dificuldade ao ter que lidar com certos amigos de muito tempo que não tinham amadurecido. Ao contrário, depois dos 50 pareciam ter regredido. Era quase insuportável aturá-los, e isso é muito triste.

Não sou psicólogo para ficar construindo teorias de como e porque acontece isso com algumas pessoas, mas testemunho constantemente esse fato.

Uma coisa é um encontro de amigos num churrasco, onde todos estão ali para ser criança mesmo, para brincar e se divertir. Não é dessas ocasiões que estou falando.

Estou falando daqueles que não mudam sua forma de tratar o mundo por não terem percebido que o passar do tempo trás a necessidade de novas posturas e atitudes, mesmo, e principalmente, com os velhos amigos.

É inteligente e agradável aprendermos o valor da gentileza, do carinho e da confiança que são valores que levam ao aprofundamento das amizades. Não existe nada mais compensador do que reverenciar e ser reverenciado pelos amigos.

O tempo passa, e algumas brincadeiras, que eram comuns quando crianças e adolescentes, não tem mais lugar quando nos tornamos adultos. Por mais óbvio, nem todos atentam para esse aspecto nevrálgico das relações.

Muitas vezes, nos reencontros, presenciais ou virtuais, esse é um ponto que pode causar muito embaraço quando nos deparamos com pessoas que não perceberam essas sutilezas, essa lapidação que a vida nos exige.

É comum, quando somos jovens demais, praticarmos brincadeiras grosseiras e provocativas entre amigos. São apelidos, rótulos e outras coisas que, não são agradáveis mas que, suportamos porque é normal suportar naquela idade, faz parte da nossa cultura. Mas, quando a idade adulta chega, nos tornamos cada vez mais avessos àquelas mesmas grosserias e provocações.

Mas, nem todos pensam, se desenvolvem e amadurecem nesse sentido. Alguns continuam com as mesmas grosserias e provocações de quando tinham 15 anos. Naquela época era chato, mas todos riam. Trinta anos depois, é só muito chato e inconveniente. E, decepcionante.

Hoje, não tenho mais o ranço que tinha desses amigos perdidos na terra do nunca. Ao contrário, sinto empatia. Deve ser muito difícil e sofrido ser uma criança aprisionada num corpo de velho. E, só existe um remédio para isso; amadurecer.  

Quando a gente amadurece, em vez de detestar envelhecer, descobre que as coisas boas podem não acabar nunca.

Ainda bem que, por outro lado, existem também aqueles reencontros que fazem nossa alma brilhar e descobrir novos talentos de velhos amigos.

Mas não consigo deixar de sentir uma certa tristeza quando reencontro amigos que nunca cresceram. Estão deixando de aproveitar o que poderiam.

– Edmir Saint-Clair

Gostou?  👇  Compartilhe com seus amigos

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

CURSO DE ESCRITA CRIATIVA --- ----------- ---------------- EDMIR SAINT-CLAIR

Seja qual for o gênero ou estilo de sua escrita, a criatividade é fundamental para que ela seja atraente e capaz de cativar seus leitores.
Aulas individuais online, focadas no interesse específico do aluno.

Agende sua entrevista gratuita e vamos conversar:
Ligue 21- 99191-0815 - Edmir Saint-Clair
Segunda a Sexta 10;00 às 20:00h
Possibilidade de aulas noturnas