Mostrando postagens com marcador O SOLITÁRIO. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador O SOLITÁRIO. Mostrar todas as postagens

O SOLITÁRIO

 

O conheci apenas por bebermos cerveja no Clipper, na Rua Carlos Góes, nos fins de tarde após o trabalho. Sempre calado, falando o necessário ou apenas respondendo. Não se alongava nas conversas ou emitia opiniões muito pessoais, sempre esquivo. Mas, era simpático.  Morava na mesma rua e nunca o víamos acompanhado.  Ninguém sabia nada a seu respeito a não ser que tinha um filho, que só via nas férias. O molequinho era bem simpático, bem mais extrovertido que o pai. Nas poucas vezes em que o vi, estava sempre rindo e solícito com todos os amigos do Clipper, que davam atenção especial a ele.

Ele era contador e trabalhava num escritório no centro da cidade, o que não colaborava em nada para que conseguíssemos formar um quadro mais profundo sobre a personalidade do nosso amigo tímido. Recusava sistematicamente os convites para festas ou qualquer outro evento. A princípio, pensávamos que tinha amigos em outro lugar, mas com o tempo percebemos que nunca estava sequer arrumado para sair. Sempre só. Vestia-se discretamente e sempre que chegava ao bar, o fazia de forma tímida. Encostava-se no balcão e pedia uma cerveja. Sempre esperava que alguém o chamasse não se chegava por livre iniciativa.

Ante véspera de natal. Estava na fila dos correios para despachar alguns cartões quando o vi na fila de encomendas com uma caixa grande. Acenei e ele retribuiu, logo que a despachou veio fazer-me companhia.

− Tudo bem? Mandando presentes?   Perguntei.

− Para meu filho. Ele está morando em São Paulo. Respondeu.

− Paizão hein? Falei.

Ele sorriu e tornou a olhar para o chão.

− Aonde você vai passar o natal? Perguntei.

− Por aí, não gosto dessas datas...

Aproveitei para convidá-lo.

− Vai um pessoal passar lá em casa. Todos os solteiros, separados e largados em geral. Vai passar lá com a gente. A gente tinha mesmo ficado de te convidar, o convite é da galera toda. Quem te encontrasse primeiro convidaria.

Ele agradeceu, baixando novamente a cabeça, me pareceu ter gostado do convite. Só achei. Voltamos caminhando juntos pelo Leblon, da Praça Antero de Quental até a Rua Carlos Góes, e poucas vezes em minha vida, lembro-me de ter percebido tanta solidão em uma pessoa quanto a que percebi nele durante este curto trajeto. A solidão estava estampada em sua forma de caminhar, na sua maneira de falar de futebol ou no desânimo de suas tentativas de risos. E, principalmente no olhar. Uma pessoa tão fechada que não sabia como dizer-lhe que após esses anos todos de chopp no Clipper, sentia-me seu amigo. Não falei. Ao passarmos pelo Clipper, o chamei para tomarmos uma cerveja, mas ele disse que tinha de ir. Parou um pouco adiante e me chamou:

− Quero te agradecer pelo convite para o Natal. Muito obrigado.

Desta vez, sua a emoção não foi imperceptível, deu-me um forte aperto de mão e vi que seus olhos brilharam úmidos. Olhou para baixo seguiu seu caminho.

 Comentei com os amigos que havia feito o convite e a emoção de seu agradecimento. Todos se mostraram alegres por ele ter aceitado, e percebi que todos ali também gostavam dele.  Papo vai, papo vem, e decidimos dar um presente de Natal para ele. A Tininha se prontificou a escolher e comprar. Fizemos uma vaquinha ali mesmo.  Até o Seu Antonio, do Clipper, contribuiu fato raríssimo.

            Na noite véspera do natal, estávamos lá em casa, animados, como sempre que passamos com quem gostamos. Lá pelas duas da madrugada, percebemos que ele não viria. Lamentamos, mas isto em nada alterou nossa grande noite. Afinal, ele nunca vinha mesmo. Violões rolando até de manhã, e aqueles papos doidos que só acontece entre grandes e queridos amigos.

            Uma semana depois, a Tininha aparece no Clipper chorando:

− Estava descendo de casa e vi alguns móveis sendo colocados numa Kombi de mudança e perguntei, pro Seu João, porteiro, de quem era. Ele disse que eram do Ricardo e que ele havia morrido na noite de Natal, atropelado quando atravessava a avenida Borges de Medeiros, no Jardim de Alah.

Todos ali choraram a morte daquela pessoa solitária, que morreu sem saber que tinha amigos e que ganharia um presente de Natal.

Nunca soubemos se ele estava indo ou não cear com a gente naquela noite

- Edmir Saint-Clair


Gostou?  👇  Compartilhe com seus amigos

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

CURSO DE ESCRITA CRIATIVA --- ----------- ---------------- EDMIR SAINT-CLAIR

Seja qual for o gênero ou estilo de sua escrita, a criatividade é fundamental para que ela seja atraente e capaz de cativar seus leitores.
Aulas individuais online, focadas no interesse específico do aluno.

Agende sua entrevista gratuita e vamos conversar:
Ligue 21- 99191-0815 - Edmir Saint-Clair
Segunda a Sexta 10;00 às 20:00h
Possibilidade de aulas noturnas